terça-feira, 8 de julho de 2014

A beijar o Tejo...

Ali,
no velho Cais das Colunas,
beijado pelo Tejo,
observamos
o infinito...
As ondas,
que bailam livremente...
As gaivotas,
que dançam,
ao ritmo do vento...
O Sol,
escondido atrás das nuvens...
Ao longe,os cacilheiros,
interrompem por instantes,
o baile das ondas...
A noite aproxima-se,
na outra margem,
pequenas luzes
rasgam o manto negro,
que se abate sobre o rio...
O Tejo,
prepara-se agora,
para momentos mais calmos,
em que as gaivotas não dançam...
Os barcos,
não rasgam as ondas...
A lua no alto,
reclama agora o seu reino,
dando nova cor ao rio...
Nós,
ali sentados,
observamos o rio,
enquanto ele vive livremente,
até ao seu descanso mergulhando na noite...
O cais,
esse,
sempre beijando o rio,
dando-lhe os bons dias,
e as boas noites...


Nuno Miguel Miranda