quinta-feira, 3 de julho de 2014

EXPECTATIVAS

Na fresta da janela, o mundo espia.
Sol que entra, vida que sai.
Sussurros de vento ecoam sentimentos mundo afora.
Dos mais variados, todos singulares.
Alguns presos em nossos segredos, gritando 
por uma liberdade quase utópica.
O amor como ser dominante. Inquieto. Confuso. Nervoso.
Nunca satisfeito por se sentir grande e forte. 
E angustiado por expectativas bobas.
Mas sempre nobre. Único. Verdadeiro. Afirmo, real.
Esperando a paz bater à porta e entrar como vendaval. 
Acalmando a alma e peito.
Mas no turbilhão se vive. Sente-se vivo. 
Afinal, sem as dúvidas não existiriam sonhos. Nem lutas.
E é isso que faz a felicidade permanecer ao nosso lado. 
E hoje, é isso que me basta!
Eduardo Fank Saldanha