quinta-feira, 3 de julho de 2014

O TEMPO

O tempo, ah o tempo...
Instável, amável
O tempo - não o vejo! Sinto-o intensamente
São lembranças e esperanças
O tempo que me permitiu amadurecer com o passado
O tempo que, hoje, me faz viver o amor mais puro 
O tempo que me mostra incertezas no depois
Não tenho a certeza do sempre
Mas vivo para que assim seja
Tempos de vida e de paz
Momentos que transformo em marcas da minha memória
Tempos de amor
Assim, tempos de amor me justifica, me representa
Me faz sonhar...
Eduardo Fank Saldanha