sábado, 7 de novembro de 2015

Amor sem paciência


Amor sem paciência não vinga.
Amor não pode ser mastigado e 
engolido com emergência, 
com fome desesperada.
É preciso degustar cada pedacinho do amor,
 no que ele tem de amargo e de saboroso,
 no que ele tem de duro e de macio, 
os nervos do amor, as gorduras do amor, 
as proteínas do amor, 
as propriedades todas que ele tem.
É uma refeição que pode durar uma vida
Martha Medeiros