sábado, 12 de dezembro de 2015

Que o outro...

Que o outro 
não me considere 
sempre disponível, 
sempre necessariamente 
compreensiva, mas me aceite 
quando não estou podendo 
ser nada disso. 
Lya Luft