terça-feira, 24 de janeiro de 2017

PAIXÃO AZUL

Solitária... Dançarina? Colombina?
Fada madrinha? Mulher fatal? A sombra cansada desliza
pela paisagem. Noite estrelada... Redundância. 
Mesmo que esteja nublado, tua silhueta brilha.

Discreta. Não olha no olhar. Mas, sabe quem acusa.
Quem vem em missão de paz ou está pronto para 
a guerra. Não se deixa conquistar. Apenas brinca.
Gata bailarina. Amor? Só para ocasiões especiais.

A vida segue. Seu amante é qualquer gato de telhado.
Se canta? Guarda os versos em seu coração.
Se vem apenas por diversão esquece. Não olhes,
porque sou Sereia Mulher e perderás a sanidade.

Porém, se queres aventura, vem comigo. Pois a vida
tem intervalos. Alguns rápidos. Outros não acabam mais. 
Esse azul de estilo pouco definido, esconde essa alma de rapina.
Mas, tu, meu tritão perdido sabes a música que meu Ser domina.

Poetisa Enilda Borges.