segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Tua sede

Tua sede é tamanha
que naufrago no cálice
em que bebes.
Tua sede, diurna,
me espreita pela noite
e me aguarda.
Nossos sonhos, perversões submersas,
a navegar silábicos mantos,
tramas, viagens, segredos.
Distâncias que nos aproximam.
Sou o princípio,
és o fim.
Me ouve, sou tua,
seja em corpo ou sem ele.
Teu prazer, alvo.
Veste-me e despe-me.
Transita por mim,
hóspede breve
e habita-me.

Thereza Christina Motta