sexta-feira, 1 de setembro de 2017

REFÉM DO AMOR

E se ao menos, eu pudesse ver teu doce olhar...
Saberias o gosto das minhas constantes lágrimas...
Cheias de delírios, loucos desejos, insanas saudades...
Se ao menos, eu pudesse tocar todo o teu corpo macio...
Entenderias, porque sou comprometida com esse amor...
Todas as noites, você invade as minhas madrugadas...
Tomando de assalto os meus mais íntimos pensamentos...
Fazendo-me refém deliberadamente de você...
Então, me toco, te sinto, entrego-me e te pertenço...
Se ao menos, eu pudesse revelar tudo o que eu sinto...
Mas você não se manifesta. 
E eu... 
Eu prefiro calar.
© Direitos reservados
conforme artigo (Lei 9610/98)