domingo, 15 de outubro de 2017

DESPE-ME

Molda-me nas margens do infinito...
Na minha intimidade despe-me e me desfolha
Como a linda rosa do meu jardim!
Estou sequiosa
Dos teus beijos e desejos
Me conduz na terra perfumada...
Envolve o teu corpo no meu
Oh! Meu amor!...
Beija a minha boca eu sou o teu fulgor!...
És fruto do meu paraíso, como amante!
Sempre em pequenos instantes...
Despe-me...
Molda-me nas margens do infinito...
© COPYRIGHT BY "RECANTO DA POESIA"
Todos os Direitos Reservados
conforme artigo (Lei 9610/98)
Cópias e publicações permitidas, 
desde que acompanhadas 
dos créditos ao autor.